Bem vindo e fique a vontade. Agradecemos qualquer comentário, sugestão, crítica ou colaboração.

terça-feira, 30 de julho de 2013

100 Balas

                  A cada década que passa, fica mais difícil haver algum lançamento em quadrinhos que tenha algum diferencial dentre a grande maioria que impera nas editoras, recheada de mesmices e reboots. Pois na série “100 Balas”, criada por Brian Azzarello com desenhos de Eduardo Risso, encontramos este diferencial que fica claro para o leitor, sem deixar margens de dúvidas.
Capa de uma das edições lançadas no Brasil
Do original em inglês “100 Bullets”, a obra da série Vertigo, pertence à DC Comics e foi lançada no Brasil pela Panini Comics, alcançando tanto sucesso de vendas quanto de críticas. Prova que estamos falando de uma HQ criativa, está no fato dela ter ganho o Prêmio Eisner de Melhor Arco de Histórias.
A trama é basicamente do gênero policial realista com muita violência. Apresenta as jogadas propostas pelo enigmático personagem que se apresenta como agente Graves. Este homem carrancudo, sempre muito bem vestido, aparece na vida de alguém que tenha passado por algum tipo de grande injustiça, oferecendo uma mala contendo uma pistola automática sem número de série com o acompanhamento de 100 balas, não rastreáveis como munição. Também acompanha o pacote, fotos, endereço, nomes de parentes e toda informação a respeito do responsável pela injustiça. O único objetivo do misterioso Graves, é o de promover a vingança. Basicamente tudo começa com algum tipo de traição, ação mal resolvida, emboscada, ou outro tipo de acaso que deixa alguém marcado para sempre com uma tragédia. Porém, surge o sombrio agente com a proposta na maleta para uma reviravolta na vida do afetado. Então o que temos a cada história, é um caso diferente com personagens diferentes, situações diferentes, mas com um ponto em comum. Muito sangue e muita violência.
100 Balas exibe violência, sangue, mas muita criatividade
Com todos os clichês de uma história policial, 100 Balas quebra a monotonia e eleva a Nona Arte a um patamar adulto conseguido apenas por Neil Gaiman, Alan Moore, Moebius e Katsuhiro Otomo. Possível encontrar em fascículos separados ou encadernados. Procure adquirir na internet que é material de qualidade excepcional. Não demorará pra que haja adaptação cinematográfica.