Bem vindo e fique a vontade. Agradecemos qualquer comentário, sugestão, crítica ou colaboração.

sábado, 1 de junho de 2013

Entrevista com Gian Danton

É com o pseudônimo de Gian Danton que o escritor e roteirista de histórias em quadrinhos, Ivan Carlo Andrade de Oliveira, conseguiu um certo renome neste meio tão prolífero e marginalizado da arte contemporânea. Professor da Universidade Federal do Amapá, este artista e pesquisador da nona arte, já publicou livros e quadrinhos nas editoras D-Arte, ICEA, Nova Sampa, Metal Pesado, Fantagraphics Books, Literata, Livrorama, Kalaco, Infinitum, dentre outras, além de colaboração em vários fanzines. Com seu legado já ganhou prêmios como do I Concurso de Crônicas e Contos, organizado pela Editora Geração, Angelo Agostini, HQ Mix e Associação Brasileira de Arte Fantástica. Abaixo segue uma sucinta entrevista cedida gentilmente para Mário Orestes do Clube dos Quadrinheiros de Manaus.
Orestes: Seu nome já é uma referência nacional no universo dos quadrinhos. Você já consegue sobreviver da nona arte?
Gian Danton: Quem dera. Sou professor universitário e é de onde tiro o meu sustento. Às vezes consigo tirar uma grana, principalmente de HQs institucionais, mas com quadrinhos mais autorais, dificilmente dá para ganhar dinheiro. A única vez em que realmente fui muito bem pago por um roteiro foi quando participei do MSP+50. O Maurício deveria ser um referencial para outros editores de quadrinhos. Mais recentemente fiquei pasmo ao receber por roteiros para a Mundo Paralelo. O editor, Walter Klatuu, pagou direitinho. Espero que a revista vingue e vire referência.
O.: Parte significante de seu legado é voltada para o drama, ficção ou terror. Você já tentou se aventurar em outros estilos?
O carismático roteirista Gian Danton
G.D.: Eu costumo dizer que um bom roteirista deve escrever de tudo. Muita gente se surpreendeu quando comecei a escrever roteiros para a MAD. O compadre Joe Bennett foi um: “Mas compadre, você também escreve humor?”. Escrevo. Aliás, a sátira que fiz sobre a Big Brother foi muito elogiada. O dono da editora Mithos, que produz material para a Panini chegou a dizer que era a melhor sátira que ele lia há anos na MAD nacional. Também escrevo infantil. Recentemente aprovei um projeto de quadrinhos infantis chamado A Turma da Tribo no edital de literatura da Secretaria de Cultura do Amapá. A arte será do Ricardo Manhaes, naquele traço europeu típico dele. Sempre quis fazer algo no estilo Asterix e essa foi minha chance.
O.: Além da literatura, já efetuou algum outro tipo de arte?
G.D.: Eu sou especialista em Artes Visuais. Na época em que estava cursando realizei diversas obras, inclusive instalações. Mas o que gosto mesmo é de escrever.
O.: Como se dá o seu processo de criação?
G.D.: Sabe aquele frase “10% de inspiração e 90% de transpiração”? Pois é, comigo é assim. Criar sempre é um processo demorado, que envolve pesquisa e às vezes dias pensando na história. Muitas vezes mergulho na história a ponto de sonhar com ela, como aconteceu com a Manticore. Tive um pesadelo com a criatura e cheguei a colocar esse pesadelo na HQ. Aliás, muitas de minhas histórias surgem de sonhos. Decadence, com traço do compadre Joe Bennett, foi assim. Sonhei até com o layout dela. Ás  vezes sonho como se fosse um diretor filmando uma história e até fazendo modificações no roteiro conforme filma... Ou seja: roteirista trabalha até quando está dormindo.
O.: Qual a sua maior dificuldade para a criação?
G.D.: Acho que acabei respondendo as duas perguntas lá em cima.
O.: Qual feito você tem como sua obra prima?
G.D.: Difícil escolher uma obra só. Dos trabalhos que fiz com o Joe Bennett, gosto muito da Família Titã e da Refrão de Bolero. Ambas devem ser republicadas em breve em álbuns. A Manticore, claro, tem que entrar na lista. Mais recentemente um trabalho que tem me dado muito orgulho é Os Exploradores do Desconhecido, uma homenagem aos seriados antigos de ficção científica, como Jornada nas Estrelas publicadas no blog http://www.exploradoresdodesconhecido.net. Há duas editoras interessadas nesse material, esperando apenas o Jean Okada terminar de desenhar para publicar.
O.: Você prefere realizar trabalhos curtos ou de inúmeras laudas?
G.D.: Olha, isso depende do desenhista com o qual trabalho. Não existe um modelo que funcione para todo mundo. Com o Joe Bennett era sempre Marvel Way: nós discutíamos o roteiro, ele, muitas vezes ia fazendo o rafe enquanto a gente conversava e eu colocava o texto diretamente sobre o rafe. Já o Jean Okada gosta de um roteiro full script, mas não excessivamente detalhado para deixar brechas para ele criar em cima. Já trabalhei com um artista português que queria tudo extremamente detalhado. Pedia até referências visuais dos personagens.
O.: Quais suas metas e seus próximos projetos?
G.D.: Um projeto recente é o livro “Grafipar, a Editora que Saiu do Eixo”. Na verdade, recente é a publicação, pois é  resultado de uma pesquisa de quase vinte anos. A obra foi indicada ao HQ Mix na categoria melhor livro teórico sobre quadrinhos. Também tenho participado de diversas antologias de terror, ficção científica e fantasia e ainda este ano deve sair meu primeiro romance, Galeão, uma fantasia histórica sobre um navio perdido no Oceano Atlântico. Meu objetivo nesse próximo ano é aumentar minha produção literária e, se possível, a de quadrinhos.
O.: Deixe seus contatos e um recado para os leitores deste blog.
G.D.: Quero aproveitar para convidar todos a visitarem meu blog pessoal (ivancarlo.blogspot.com) e meu blog sobre roteiro para quadrinhos (http://roteiroquadrinhos.blogspot.com). Também é possível me adicionar no Facebook (é só procurar por Gian Danton, sou o único do mundo com esse nome) e no Twitter: @giandanton.